28 de janeiro de 2011

Minhas férias prediletas


Nossa vida é rodeada de ciclos. E todos eles; bons, ruins, cansativos ou prazerosos, um dia acabam.
Vai me dizer que você não achava que aquele namorico da adolescência ia durar para sempre? E depois ainda jurou pra Deus e o mundo que nunca mais se interessaria por outra pessoa.
Pois é, mas o danado do ciclo atacou novamente. E a escola? Aquelas amizades “eternas” do tempo de escola? Hoje, se você conseguir manter contato com apenas um daqueles seus 30 amigos, é muito.
Algumas pessoas tem facilidade para encerrar e começar novos ciclos.
Eu, confesso que sou bom para começar, mas “corto um dobrado” para terminar meus ciclos.
Sejam eles quais for. Senti muita tristeza quando me formei no ensino médio e no colegial. Sabia que perderia contato com aqueles que dividiram anos de suas vidas comigo. Fiquei triste até em pensar que não veria mais aquele colega nerd. Aquela menina insuportável que sentava na primeira carteira puxando saco dos professores.
Acho que o único ciclo que encerrei sem dor foi uma mudança de emprego.
Sair de vendedor para jornalista não deixa muita saudades não.
Ontem, 27 de janeiro encerrei mais um ciclo em minha vida.
Ciclo curto, mas que como todos os outros, deixará saudade.
A princípio, a ideia de fazer um curso intensivo de inglês, três horas por dia, todos os dias da semana, nas férias, não é das mais excitantes.
Ainda pensei em trocar isso por uma estadia no Caribe, mas necessidade do mercado de trabalho e a falta de tempo- leia-se $$$- não me deixaram escolha.
Mas para minha surpresa; Isto mesmo, surpresa, conheci pessoas maravilhosas, que faziam daquelas três horas o momento mais prazeroso do meu dia.
Uns engraçados, outros calados, uma professora dedicada e competente. Mas todos ali, unicamente iguais em suas inúmeras diferenças. Pessoas do bem, com caráter, encantadoras à sua maneira.
Talvez, se eu convivesse com eles no BBB não acharia tudo isso né, mas como eram apenas 3 horas por dia, conheci um pouco do melhor de cada um.
Conclusão: mais um ciclo doloroso. Me incomoda saber que vou perder contato com a maioria daquelas pessoas. Algumas talvez eu não veja nunca mais.
Mas na dúvida entre a tristeza de perdê-los e a alegria de tê-los conhecido, fico com a segunda opção.
Curti um pouco de cada pessoa que estava ali. Um sorriso, um erro de pronúncia -porque fazer inglês por obrigação não é nada fácil-, uma história de vida.
E assim seguimos a vida; nos encantando, decepcionando, aproximando e distanciando.
Mas com toda certeza, vivendo, e fazendo com que cada minuto que estejamos aqui, valha a pena.
Meu carinho e agradecimento a todos que dividiram este mês maravilhoso comigo: Professora Tati, Tarcisio (Meira), Rafael(litle boy), Dani (sleep), Camila (crazy blond), Antônio Luiz (Wonderful), Reginaldo (Serra), Paloma (Pocahontas), Agnaldo (Safadão) e Camila Silvestri (The Casper Woman).

27 de janeiro de 2011

Vamos levar mais a sério?

Eu não estava disposto a escrever nada esta semana. Greve geral mesmo. Mas algumas coisas me irritam profundamente.
Segunda e terça feira fui bombardeado com notícias sobre o suposto aliciamento de um avô para com a neta de dois anos em Jacareí. Deram detalhes, achincalharam o velhinho. Por onde andei, ouvi frases do tipo: "tem que cortar o bilau dele"; "matar o véio na pancada", etc.
Eis que hoje vejo uma notinha-isto mesmo, uma notinha- com o resultado do laudo pericial,  afirmando que a menina não foi molestada por ninguém.
Ou seja, bola fora da imprensa. Nesta mesma notinha, tinha uma entrevista com o pai, acusando a ex de não aceitar a separação, e por isto querer acabar com sua reputação e de sua família.
Agora pergunto:
-Porque na primeira matéria já não saiu a versão do pai da criança? Todo mundo que leu, acreditou que estava consolidado o ato libidinoso. Foi uma matéria tendenciosa.
-Porque a matéria de acusão foi destacada, cercada de detalhes, e esta agora, uma nota no canto da página, com uma pequena resposta do pai da criança-filho do acusado-.
Isto me irrita. Na hora que viram a denúncia  a imprensa caiu babando né. Um furo pra vender jornal e aumentar acesso no site. Mas e agora, como fica esta família que foi exposta e praticamente condenada pela opinião pública, nossos formadores de idéia?
Não poderia ter sido feito uma retratação maior? ou mesmo perder o furo, mas quando publicar a matéria apurar todas as versões?
Perguntas e mais perguntas desse nosso jornalismo, cada vez mais capitalista e sensacionalista!
Boa quinta a todos!


19 de janeiro de 2011

Nossos heróis brasileiros

Em meio a todas as tragédias que temos visto no Brasil- em especial no Estado do Rio de Janeiro- por causa das chuvas, a história do cãozinho caramelo, que supostamente velava o túmulo de sua dona, nos trouxe um alento e emocionou o país.


Foi um sentimento nacional de compaixão e afeto. A imprensa deleitou-se com o fato. Reportagens na internet, jornal impresso e um grande destaque na teve; tudo para exaltar o novo “herói”.
Leia o trecho de uma das matérias feitas:
A Comissão Especial de Proteção Animal da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) conseguiu resgatar na sexta-feira um cachorro que estava há dias ao lado do túmulo de sua dona, Cristina Maria Cesário Santana, morta em decorrência das fortes chuvas que atingiram a Região Serrana do Rio. Caramelo, como o vira-lata foi apelidado pelos moradores, estava perambulando pelas ruas do bairro Caleme, um dos mais atingidos pelo temporal, quando foi encontrado.
Publicada no site do jornal Extra, esta foi apenas uma das inúmeras matérias feitas sobre o “cão sentimental”.
Mas o que parecia uma história bonita e comovente não passou de uma falha da imprensa.
Segundo o jornal Diário de Teresópolis, o episódio do vira-lata Caramelo foi uma grande confusão.
De acordo com a reportagem, Caramelo realmente existe e perdeu seus donos na tragédia, mas não era ele que aparecia ao lado de um túmulo e sim, John, o cachorro de Rodolfo Júnior, voluntário que trabalha no cemitério Carlinda Berlim.
Ou seja. O cãozinho que estava ao lado do túmulo apenas descansava enquanto seu verdadeiro dono trabalhava.
Sensacionalismo a essa hora do campeonato é dose né?
Já basta todas as mortes, alguns salvamentos incríveis. Podíamos passar sem esta.
E o pior..o cãozinho..de herói e exemplo, voltou a ser apenas um pulguento preguiçoso.
Bom dia a todos!!

13 de janeiro de 2011

Filme repetido

Lendo a enxurrada- não foi uma piada de mal gosto- de notícias sobre as tragédias naturais que vem acontecendo em todo nosso país devido às chuvas que não param, me peguei pensando:


Qual é nosso papel?..sim..o que deve fazer um jornalista numa situação complicada como esta?
Informar? Questionar o governo? Divulgar fotos e depoimentos chocantes e correr o risco de ser sensacionalista?
Não é uma situação fácil, pois como disse no começo do texto, são tragédias naturais. Antes que você leitor, me mande para o raio -opa, outra piada?- que o parta, sei que tudo isto poderia ser evitado. Não estou aqui para bancar o advogado do Governo, mas como no caso da Região Serrana do Rio de Janeiro, algumas casas já estavam em situação de risco desde 2006. Houve um descaso de ambas as partes. O Governo poderia pressionar mais os moradores e buscar uma solução para este caso e os moradores, também foram acomodados, acreditando que nunca ia acontecer nada de mais grave. Está na hora de parar de empurrar problemas como este pela barriga.
A Natureza já provou que não está para brincadeira, e as coisas tendem a piorar.
Nós jornalistas devemos informar, mas mais do que isso, também buscar uma solução. Cobrar os governantes, indagar os moradores, mostrar que eles também podem ajudar a evitar este problema.
Não quero começar 2012 falando sobre este assunto novamente, e para isso conto com a colaboração dos governos, e de vocês moradores..a casa é de vocês, a atitude também deve ser de vocês.
Não se acomodem, não deixem passar em branco, pois daqui a pouco chega o carnaval e aí já viu né, todos esquecem. Ano passado foi assim.
Será que este filme vai se repetir?

12 de janeiro de 2011

Agora sim, um grande desafio

O Governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) nomeou o ex-prefeito de São José e agora Secretário do Planejamento e Desenvolvimento Regional do Estado, Emanuel Fernandes para ser o responsável pela preparação de São Paulo para a Copa do Mundo de 2014.


Emanuel irá liderar um grupo que tem como missão estudar projetos, eventos e ações, estruturando o Estado para ser a sede da abertura da Copa.
Essa missão dada mostra que o ex-prefeito de São José faz parte do primeiro escalão e tem muita moral no Governo de Alckmin.
Aqui no Vale do Paraíba, Emanuel sempre foi conhecido por ser um grande admnistrador e não ter medo do trabalho. Se preciso, arregaça as mangas e vai pra rua.
Agora ele têm uma grande chance de ficar mais conhecido no Estado, abrindo espaço para futuramente concorrer ao cargo de Governador - esta não é uma notícia, apenas um palpite deste articulista-. Preparar a cidade de São Paulo para sediar a Copa do Mundo será, sem dúvida o maior desafio da carreira do "psdebista".
Falta de estrutura nos aeroportos, caos no tânsito, marginalidade. Alguns dos pontos críticos que a partir de hoje, começarão a tirar o sono do ex-prefeito joseense.
Vamos aguardar, e sem partidarismo, torcer para que ele faça um bom trabalho.
Sinceramente não sei se é mais fácil o Ronaldo emagrecer, o Ronaldinho escolher algo de sua própria vontade ou o Faustão ouvir seus entrevistados, do que São Paulo estar verdadeiramente pronta para sediar uma Copa do Mundo, mas não costumo desacreditar de pessoas aguerridas, esforçadas e humildes.
Continuo sendo contra a realização da Copa no Brasil, mas já que será aqui, que seja bem feita..
Boa quarta-feira a todos.